Verifique se sua empresa está apta para entrar em produção

Última atualização em: 07 de janeiro, 2015

Antes de realizar o checklist abaixo, é importante o Parceiro realizar a leitura da documentação no Portal, através do link https://desenvolvedores.migrate.com.br/modulo-nfs-e/.

Analisar as particularidades dos padrões que serão utilizados pelos seus clientes:
https://desenvolvedores.migrate.com.br/padroes-nfs-e/

Abaixo segue os testes mínimos necessários para ser considerado apto a iniciar o processo em Produção no módulo NFS-e.

Para emissão normal seguir os passos abaixo:

Cadastrar mais de uma empresa:

– Gerar XML de Envio:
https://desenvolvedores.migrate.com.br/2014/03/27/gerar-xml-de-envio-passoapasso

– Autorizar um documento:
https://desenvolvedores.migrate.com.br/2014/03/25/emitir-uma-nfs-e/

– Realizar a consulta de um documento:
https://desenvolvedores.migrate.com.br/2014/03/25/consultar-uma-nfs-e/

– Cancelar um documento:
https://desenvolvedores.migrate.com.br/2014/03/26/cancelar-uma-nfs-e/

– Testar a emissão com Itens (preencher a tag ListaItens e a tag de Serviço de Maneira adequada)
– Testar a emissão com um Lote (5 RPSs ou mais)
– Seguir o fluxo no processo síncrono e assíncrono

Algumas particularidades deste módulo:

– Padrões que utilizam arquivos, seguir o seguinte procedimento:
https://desenvolvedores.migrate.com.br/2014/03/27/integracao-com-padroes-que-utilizam-arquivos/

– A empresa deve verificar o fluxo atual de seus clientes, e realizar testes de emissão de acordo com o fluxo de cada um de seus clientes.

Exemplos:

– Empresa emite NFS-e com ISS Retido. Deverá testar a emissão de NFS-e com ISS Retido.
– Empresa emite NFS-e sem ISS Retido. Deverá testar a emissão de NFS-e sem ISS Retido.
– Verificar códigos de tributação da empresa no município, e realizar testes utilizando os códigos reais, simulando o dia-a-dia da empresa.
OBS: Essas são regras de negócio que só o parceiro terá conhecimento, e será de sua inteira responsabilidade testá-las e aprová-las em seu ERP.

Verifique se sua empresa está apta para entrar em produção

Última atualização em: 07 de janeiro, 2015

Antes de realizar o checklist abaixo, é importante o Parceiro realizar a leitura da documentação no Portal, através do link https://desenvolvedores.migrate.com.br/modulo-mdf-e/.

Abaixo segue os testes mínimos necessários para o Parceiro ser considerado apto para iniciar o processo em Produção no módulo MDF-e.

Para emissão normal seguir os passos abaixo:

– Autorizar um documento:
https://desenvolvedores.migrate.com.br/2014/04/01/enviando-um-mdf-e-2/

– Encerrar um documento:
https://desenvolvedores.migrate.com.br/2014/07/03/encerrando-um-mdf-e

– Realizar a consulta de um documento:
https://desenvolvedores.migrate.com.br/2014/03/07/consultando-um-documento-nf-e-ou-nfc-e/

– Cancelar um documento:
https://desenvolvedores.migrate.com.br/2014/04/02/cancelando-um-mdf-e-2/

Algumas particularidades deste módulo:

– Incluir um novo condutor para MDF-e já autorizado:
https://testemigrate.wordpress.com/2014/07/03/evento-de-inclusao-de-condutor

– A empresa deve verificar o fluxo atual de seus clientes, e realizar testes de emissão de acordo com o fluxo de cada um de seus clientes.

Exemplos:

– Se o cliente realiza transportes interestaduais entre mais de um Estado, deve testar emissão de MDF-e com informação de Percurso.
– Se o cliente referencia NF-e em seu MDF-e, deve testar a emissão referenciando NF-e.
– Se o cliente referencia CT-e em seu MDF-e, deve testar a emissão referenciando CT-e.
OBS: Essas são regras de negócio que só o parceiro terá conhecimento, e será de sua inteira responsabilidade testá-las e aprová-las em seu ERP.

Verifique se sua empresa está apta para entrar em produção

Última atualização em: 07 de janeiro, 2015

Antes de realizar o checklist abaixo, é importante o Parceiro realizar a leitura da documentação no Portal, através do link https://desenvolvedores.migrate.com.br/modulo-ct-e/.

Abaixo segue os testes mínimos necessários para o Parceiro ser considerado apto para iniciar o processo em Produção no módulo CT-e.

Para emissão normal seguir os passos abaixo:

– Autorizar um documento:
https://testemigrate.wordpress.com/2014/09/16/enviando-um-ct-e

– Inutilizar um documento:
https://desenvolvedores.migrate.com.br/2014/09/16/inutilizar-um-ct-e

– Realizar a consulta de um documento:
https://desenvolvedores.migrate.com.br/2014/03/07/consultando-um-documento-nf-e-ou-nfc-e

– Cancelar um documento:
https://testemigrate.wordpress.com/2014/09/16/cancelando-um-ct-e

– Emitir uma Carta de Correção:
https://testemigrate.wordpress.com/2014/09/16/carta-de-correcao-eletronica-para-ct-e

Para emissão em contingência seguir os passos abaixo:

– Emitir um documento em contingência SVC:
https://testemigrate.wordpress.com/2014/09/16/emissao-de-ct-e-em-contingencia

Algumas particularidades deste módulo:

– A empresa deve verificar o fluxo atual de seus clientes, e realizar testes de emissão de acordo com o fluxo de cada um de seus clientes.

Exemplos:

– Se o cliente emitir com Modal Rodoviário, deve testar emissão de um CT-e utilizando modal Rodoviário.
– Se o cliente utilizar modal Aéreo, deve testar emissão de um CT-e utilizando modal Aéreo.
– Se o cliente referencia NF-e em seus CT-e, deve testar a emissão de CT-e com referência de NF-e.
OBS: Essas são regras de negócio que só o parceiro terá conhecimento, e será de sua inteira responsabilidade testá-las e aprová-las em seu ERP.

Verifique se sua empresa está apta para entrar em produção

Última atualização em: 07 de janeiro, 2015

Antes de realizar o checklist abaixo, é importante o Parceiro realizar a leitura da documentação no Portal, através do link https://desenvolvedores.migrate.com.br/modulo-nf-e/.

Abaixo segue os testes mínimos necessários para o Parceiro ser considerado apto para iniciar o processo em Produção no módulo NF-e.

Para emissão normal seguir os passos abaixo:

– Autorizar um documento:
https://desenvolvedores.migrate.com.br/2013/10/22/envio-de-nf-e-nfc-e/

– Inutilizar um documento:
https://desenvolvedores.migrate.com.br/2014/03/07/inutilizando-uma-nf-e-ou-nfc-e

– Realizar a consulta de um documento:
https://desenvolvedores.migrate.com.br/2014/03/07/consultando-um-documento-nf-e-ou-nfc-e/

– Cancelar um documento:
https://desenvolvedores.migrate.com.br/2014/03/07/cancelando-uma-nf-e-ou-nfc-e

– Emitir uma Carta de Correção:
https://desenvolvedores.migrate.com.br/2014/03/07/carta-de-correcao-eletronica-cc-e-2

Para emissão em contingência seguir os passos abaixo:

– Emitir um documento em contingência SVC:
https://desenvolvedores.migrate.com.br/2014/03/07/emissao-em-contingencia

– Emitir um documento em contingência EPEC:
https://desenvolvedores.migrate.com.br/2014/03/07/emissao-em-contingencia

Algumas particularidades deste módulo:

– A empresa deve verificar o fluxo atual de seus clientes, e realizar testes de emissão de acordo com o fluxo de cada um de seus clientes.

Exemplos:

– Se determinado cliente é do simples nacional, deverá testar emissão de notas com CST do Simples Nacional.
– Se cliente é do Regime Normal, deverá testar emissão de notas com CST do Regime Normal.
– Se cliente usa informação de transportador, deve testar a emissão informando o grupo do transportador.
– Se cliente vende medicamentos, deve testar emissão de documentos com tipo de produto = medicamento.
OBS: Essas são regras de negócio que só o parceiro terá conhecimento, e será de sua inteira responsabilidade testá-las e aprová-las em seu ERP.

Integração com Padrões que utilizam arquivos – Antigo

Última atualização em: 31 de março, 2016

 

Alguns padrões adotados pelas prefeituras utilizam arquivos para a integração, e o fluxo de emissão fica um pouco diferente dos demais que utilizam a integração via Web Service. A seguir é detalhado um passo-a-posso desse fluxo:

     1. Enviando o RPS para o InvoiCy NFS-e
A primeira etapa é enviar o XML para o InvoiCy NFS-e. Este XML conterá os dados da NFS-e, da mesma forma como os outros padrões que se comunicam via web service. Não há diferenças na primeira etapa, basta enviar o XML para o web service de Recepção do RPS.

     2. Adquirindo o arquivo com o Lote de RPS da Prefeitura
Nos padrões que utilizam arquivo como integração será retornado duas tags extras <ArquivoTXT> e <ExtensaoArquivo>. A tag “ArquivoTXT” conterá o arquivo em Base64 que deverá ser decodificado e transformado em arquivo e a tag “ExtensaoArquivo” conterá a extensão do arquivo. Para informações de como decodificar o conteúdo da tag em arquivo ver o artigo Exemplo de decodificação de base64 para arquivo.

     3. Enviando o arquivo para a prefeitura
Para enviar o arquivo para a prefeitura é necessário acessar o Portal da NFSE da mesma. Dentro do portal haverá uma opção para importar o arquivo. A localização desta opção muda de padrão para padrão, por exemplo, no SigCORP TXT a opção está em NFS-e e depois Enviar Arquivo (Lote), conforme imagem abaixo:

img_sistema_integracao

Após o upload, a prefeitura irá validar, importar os RPSs e transforma-los em NFS-e.

     4. Obtendo o retorno da Prefeitura
Para completar o fluxo com o InvoiCy NFS-e e efetivar o RPS (ou cancelar, caso a prefeitura tenha essa opção), é necessário obter o arquivo de retorno da prefeitura, que conterá as NFS-e. Como exemplo, no SIGCorp TXT, basta ir em Movimento, selecionar o período, ir em Serviços Prestados / Ferramentas NF-e e clicar em Exportar Notas Emitidas, conforme imagem abaixo:

img_sistema_integracao_ii

     5. Enviando o retorno da prefeitura para o InvoiCy NFS-e
Para enviar o arquivo com as NFS-e para o InvoiCy NFS-e, utiliza-se o mesmo web service para o Envio do RPS. A diferença nesse caso é que o XML deve conter apenas o Cabeçalho e as tags <ArquivoTXT> e <ExtensaoArquivo>. A tag <ArquivoTXT> preenchida com o arquivo da prefeitura codificado em Base64 e a tag <ExtensaoArquivo> com a extensão do arquivo. O InvoiCy NFS-e irá realizar o processamento necessário para o padrão e retornar o status do mesmo

 

Notas Rejeitadas
Os padrões com arquivo não costumam ter notas rejeitadas. Isso se dá pelo fato de que a validação ocorre na prefeitura, o InvoiCy NFS-e apenas gera o arquivo a ser enviado para a prefeitura. Caso o RPS seja rejeitado na prefeitura, ele normalmente não é importado (pode variar de padrão para padrão), e o retorno da prefeitura não irá contemplar aquelas notas que foram rejeitadas pela prefeitura. Caso algum RPS no arquivo esteja inválido, pode-se corrigir o RPS e repetir os passos 1 a 3.

 

Cancelamento de notas fiscais
O cancelamento no InvoiCy NFS-e, se dá de 3 formas:

1. Quando uma nota é cancelada na prefeitura, deve-se repetir o procedimento n° 4, pois no retorno da prefeitura conterá o status da nota (cancelada ou efetivada).

2. Através do web service de Cancelamento, no qual a nota será marcada como cancelada apenas no InvoiCy NFS-e.

3. Através da opção Cancelar NFS-e via interface web do InvoiCy NFS-e, o qual também apenas irá marcar a nota como cancelada. Os itens 1 e 2 funcionam dessa maneira pois não há comunicação direta com a prefeitura.

Artigos Relacionados:

Integrando com o módulo NFS-e – Antigo

Última atualização em: 31 de julho, 2014

 

A integração de seu ERP com o InvoiCy NFS-e deve ser realizada através de Web Service disponibilizado pelo InvoiCy. Este Web Service é único, e deve ser utilizado para qualquer emissão com o InvoiCy, independente da prefeitura que se deseja enviar. Abaixo, detalhamos o processo de integração com o módulo NFS-e.

  • Visualize a estrutura WSDL do Web Service.

Para visualizar a estrutura WSDL do Web Service, basta copiar e colar o link do Web Service em seu navegador de internet, por exemplo https://gnfse.gnfe.com.br/apnuc134.aspx?wsdl. Assim podemos visualizar toda a estrutura do WSDL, conforme demonstra a imagem abaixo:

  • Realize o consumo do Web Service.

Você deverá realizar o consumo do Web Service para realizar a integração. Dentro da TAG <nfse:Entradaxml>, você deverá informar o conteúdo XML da NFS-e, contendo a estrutura de campos. Os campos da NFS-e devem estar convertidos para formato texto, conforme exemplo abaixo:

Nos casos em que for usada uma ferramenta RAD para consumo do Web Service através de componente nativo, por exemplo Visual Studio utilizando Web Reference, a conversão do XML para texto irá ocorrer de forma automática. Para os casos em que o desenvolvedor preferir codificar toda a comunicação sem utilizar componentes, além de ser necessário escrever todo o XML do SOAP, também deverá ser feita a conversão do XML do documento para texto, substituindo os caracteres “<”, “>” e “ “ ” (aspas) por “&lt;”, “&gt;” e “&quot;” respectivamente, de acordo com a tabela da W3C: http://www.w3schools.com/html/html_entities.asp. Para facilitar seu entendimento, disponibilizamos para você o download de um exemplo completo de consumo dos Webservices do InvoiCy (Schemas XSD e XMLs de Exemplo). RecepcaoRPS.zip

  •  Realize a leitura do retorno do envio da NF-e.

Após o envio da NFS-e, precisamos realizar a leitura do retorno do processamento do documento. O retorno recebido segue a seguinte estrutura SOAP:

A estrutura SOAP acima demonstra o retorno do envio de apenas um único documento. Note que na TAG <EspelhoRPS> é retornado o “espelho” do RPS, codificado em Base64. Agora que você já realizou sua integração, podemos dar prosseguimento ao próximo passo. Seu próximo passo é: Cadastrar uma Empresa via Web Service

Artigos Relacionados:

Integração com Padrões que utilizam arquivos

Última atualização em: 05 de julho, 2017

 

Alguns padrões adotados pelas prefeituras utilizam arquivos para a integração, e o fluxo de emissão fica um pouco diferente dos demais que utilizam a integração via Web Service. A seguir é detalhado um passo-a-posso desse fluxo:

     1. Enviando o RPS para o módulo NFS-e
A primeira etapa é enviar o XML para o módulo NFS-e. Este XML conterá os dados da NFS-e, da mesma forma como os outros padrões que se comunicam via web service. Não há diferenças na primeira etapa, basta enviar o XML para o web service de Recepção do RPS. A imagem abaixo mostra um exemplo do XML de Envio.

     2. Adquirindo o arquivo com o Lote de RPS da Prefeitura
Nos padrões que utilizam arquivo como integração será retornado conteúdo nas duas tags: <Arquivo> e <ExtensaoArquivo>. A tag “Arquivo” conterá o arquivo em Base64 que deverá ser decodificado e transformado em um arquivo e a tag “ExtensaoArquivo” conterá a extensão do arquivo. Para informações de como decodificar o conteúdo da tag em arquivo ver o artigo Exemplo de decodificação de base64 para arquivo.

     3. Enviando o arquivo para a prefeitura
Para enviar o arquivo para a prefeitura é necessário acessar o Portal da NFSE da mesma. Dentro do portal haverá uma opção para importar o arquivo. A localização desta opção muda de padrão para padrão, por exemplo, no SigCORP TXT a opção está em NFS-e e depois Enviar Arquivo (Lote), conforme imagem abaixo:

img_sistema_integracao
Após o upload, a prefeitura irá validar, importar os RPSs e transforma-los em NFS-e.

     4. Obtendo o retorno da Prefeitura
Para completar o fluxo com o módulo NFS-e e efetivar o RPS (ou cancelar, caso a prefeitura tenha essa opção), é necessário obter o arquivo de retorno da prefeitura, que conterá as NFS-e. Como exemplo, no SIGCorp TXT, basta ir em Movimento, selecionar o período, ir em Serviços Prestados / Ferramentas NF-e e clicar em Exportar Notas Emitidas, conforme imagem abaixo:

img_sistema_integracao_ii

     5. Enviando o retorno da prefeitura para o InvoiCy NFS-e

Para enviar o arquivo com as NFS-e para o InvoiCy, utiliza-se o mesmo web service para o Envio do RPS. A diferença nesse caso é que o XML deve conter apenas o Cabeçalho e as tags <Arquivo>,<ExtensaoArquivo>,<CNPJ_Prest> e <tpAmb>. A tag <Arquivo> preenchida com o arquivo da prefeitura codificado em Base64, a tag <ExtensaoArquivo> com a extensão do arquivo, <CNPJ_Prest> com o CNPJ da Empresa e a tag <tpAmb> com o Tipo de Ambiante: 1-Produção e 2-Homologação. O InvoiCy irá realizar o processamento necessário para o padrão e retornar o status do mesmo.

Veja um exemplo de upload.

Notas Rejeitadas

Os padrões com arquivo não costumam ter notas rejeitadas. Isso se dá pelo fato de que a validação ocorre na prefeitura, o InvoiCy apenas gera o arquivo a ser enviado para a prefeitura. Caso o RPS seja rejeitado na prefeitura, ele normalmente não é importado (pode variar de padrão para padrão), e o retorno da prefeitura não irá contemplar aquelas notas que foram rejeitadas pela prefeitura. Caso algum RPS no arquivo esteja inválido, pode-se corrigir o RPS e repetir os passos 1 a 3.

Cancelamento de notas fiscais
O cancelamento no InvoiCy NFS-e, se dá de 2 formas:

1. Quando uma nota é cancelada na prefeitura, deve-se repetir o procedimento n° 4, pois no retorno da prefeitura conterá o status da nota (cancelada ou efetivada).

2. Através do web service de Cancelamento, no qual a nota será marcada como cancelada apenas no InvoiCy.

Artigos Relacionados:

Como integrar com o módulo NFS-e?

Última atualização em: 25 de agosto, 2014

A integração de seu ERP com o Módulo deve ser realizada através de Web Service disponibilizado pelo Módulo. Este Web Service é único, e deve ser utilizado para qualquer emissão com o Módulo, independente da prefeitura que se deseja enviar. Abaixo, detalhamos o processo de integração com o módulo NFS-e.

  • Visualize a estrutura WSDL do Web Service

Para visualizar a estrutura WSDL do Web Service, basta copiar e colar o link em seu navegador de internet, por exemplo https://homolog.invoicy.com.br/arecepcao.aspx?wsdl. Assim podemos visualizar toda a estrutura do WSDL, conforme demonstra a imagem abaixo:

  • Realize o consumo do Web Service

Você deverá realizar o consumo do Web Service para realizar a integração. Dentro da TAG , você deverá informar o conteúdo XML do RPS, contendo a estrutura de campos. Os campos do RPS devem estar convertidos para formato texto, conforme exemplo abaixo:

Nos casos em que for usada uma ferramenta RAD para consumo do Web Service através de componente nativo, por exemplo Visual Studio utilizando Web Reference, a conversão do XML para texto irá ocorrer de forma automática. Para os casos em que o desenvolvedor preferir codificar toda a comunicação sem utilizar componentes, além de ser necessário escrever todo o XML do SOAP, também deverá ser feita a conversão do XML do documento para texto, substituindo os caracteres “<”, “>” e “ “ ” (aspas) por “<”, “>” e “”” respectivamente, de acordo com a tabela da W3C: http://www.w3schools.com/html/html_entities.asp.

Para facilitar seu entendimento, disponibilizamos para você o download de um exemplo completo de consumo dos Web Services do Módulo (Schemas XSD e XMLs de Exemplo). Clique aqui para realizar o download deste exemplo.

  •  Realize a leitura do retorno do envio do RPS.

Após o envio dos RPS, precisamos realizar a leitura do retorno do processamento do documento. O retorno recebido segue a seguinte estrutura SOAP:

A estrutura SOAP acima demonstra o retorno do envio de apenas um único documento. Note que na TAG < DocPDFBase64> é retornado o “espelho” do RPS, codificado em Base64.

Agora que você já realizou sua integração, podemos dar prosseguimento ao próximo passo.

Seu próximo passo é: Como emitir uma NFS-e?

Artigos Relacionados: